Novos jovens aprendizes assinam contrato e já estão trabalhando

Ele fazem parte da família Casa de Ismael desde que foram acolhidos. Mas, agora, a Casa de Ismael tem a honra de participar do primeiro passo da vida profissional deles e isso só está sendo possível graças ao esforço e a dedicação de cada um desses jovens.

Emily, Estefani, Thalia e Guilherme

O Guilherme, a Estefani, a Thalia, que têm 16 anos, e a Emily, de 15, fazem parte do programa Primeiro Passo para o Trabalho – o programa de formação de jovens aprendizes que faz parte do Setor de Educação Sócio-profissional da Casa de Ismael – Lar da Criança, e visa a formação profissional, pessoal e cidadã de adolescentes em situações de vulnerabilidade.O Programa se fundamentada na Lei 10.097/2000, conhecida como Lei do Aprendiz e funciona em parceria com as empresas locais, onde os jovens executam tarefas que auxiliam sua formação prática durante quatro horas por dia, durante quatro dias da semana, porque o quinto dia o jovem participa da aprendizagem teórica oferecida na Casa de Ismael. Nesse programa de estágio, eles começam a ter contato com o mercado de trabalho e a direcionar a vida profissional.

O programa Primeiro Passo tem duração de dois anos. A Emily vai contribuir na parte administrativa do Banco do Brasil. Já o Guilherme, a Estefani e a Thalia vão trabalhar na Casa de Ismael, tanto na parte administrativa como na educativa.

Mães sociais acompanham assinatura de contato – emocionadas e muito felizes

Para fazer parte do programa, todos precisaram preencher os requisitos necessários, entre eles, os mais importantes: estar estudando e ter um bom rendimento escolar.
Durante a cerimônia de assinatura dos contratos houve muito emoção.  A coordenadora do setor de educação sócio-profissional, Keity Gisele Reis da Silva, lembrou que a Casel, que sempre esteve presente na vida deles desde o acolhimento, agora conta com eles para levar a instituição adiante, e que todos estão de braços dados rumo ao futuro.
Keity também lembrou que o carinho será o de sempre, mas agora a relação entre eles e os funcionários da casa muda um pouco. As tias passaram a ser colegas nessa fase de transição pela qual eles estão passando. E que, se eles chegaram a dar esse importante passo, eles têm condições de ir além. “Esse é um trabalho em conjunto, em que a Casel participa de um processo de amadurecimento desses jovens. É o mesmo trabalho de transformar o barro numa obra de arte. Hoje, eles estão num estágio pré-profissional, dando um dos primeiros passos para a autonomia de vida”, destacou a coordenadora, emocionada.
Todos coordenadores e diretores foram unânimes ao dizer que “todos os adolescentes que passam na casa de Ismael precisam estudar e dar o primeiro passo”. E, por isso, com muita alegria, diretores, coordenadores e mães sociais fizeram questão de estarem juntos nesse momento.
O diretor da Infância e da Juventude, da Casel, Antonio Brás de Almeida, reforçou que a partir de agora, os novos aprendizes vão ajudar a casa a funcionar, a melhorar e que a responsabilidade aumenta à medida que nesse momento se tornam exemplo para os outros. E complementou aos jovens “Quando terminar esse estágio de dois anos, vocês não podem parar. Meus parabéns! Estou muito emocionado e realizado com essa conquista de vocês”.
A emoção também marcou o discurso da coordenadora de acolhimento, Vivian Queiroz, que disse estar orgulhosa de ver que eles chegaram até a profissionalização, pois isso é alcançar um patamar maior do que eles estavam até então, é crescer. “Nós estamos de braços abertos, aqui vocês tem todos os direitos trabalhistas como qualquer trabalhador. Continuem estudando”, aconselhou a coordenadora.
A encarregada do Departamento de Educação da Casa de Ismael também destacou a importância dessa conquista. “Essa associação do mundo da educação e do mundo do trabalho é fundamental, porque por meio da educação é que vocês vão conseguir cada dia mais se especializarem. E quando a gente tem a oportunidade de trabalhar com o que a gente gosta, esse compromisso aumenta”, disse Aparecida ao se recordar do semelhante trabalhado que a Casa de Ismael já vinha desenvolvendo nos anos de 1990 e que mudou a vida de tantos acolhidos.
Todos, inclusive o diretor administrativo, Hubimaier Santiago, aconselharam os jovens a seguirem comprometidos com essa primeira oportunidade profissional, uma vez que o compromisso se torna ainda maior, agora, quando eles passam a participar também do desenvolvimento e da educação das crianças da Casel, representando a instituição dentro e fora dela.
Agradecimentos
O Guilherme aproveitou o momento para agradecer à Casa de Ismael pela oportunidade. “Esse é um grande espaço que nós damos. O programa já fala tudo – é um primeiro passo não só pro mercado de trabalho, mas para as nossas vidas. Nós passamos por um processo de amadurecimento cheio de ansiedade, conflitos, barreiras. Mas nós conseguimos, né, e todo dia nós damos um primeiro passo pra um novo começo, um novo tudo”, disse Guilherme.
Emily em poucas palavras contou, emocionada, que sempre quis trabalhar e resumiu o sentimento de todos na sala. “Estou muito feliz!!”.
Já Thalia aproveitou para complementar “É uma honra muito grande, hoje, estar sentada aqui e pensar que cresci aqui dentro e vou começar minha vida profissional aqui. Eu sempre pensava que a minha hora não ia chegar, mas chegou”.
E, com lágrimas nos olhos, Estefani encerrou “Sempre quis trabalhar! Muito obrigada a todos por terem nos ajudado. Esse é o primeiro de muitos passos”.

 

Casa de Ismael oferece aula de capoeira para as crianças

É de longe que se escuta um barulho diferente na Casa de Ismael. Não é de crianças correndo pra lá e pra cá chamando umas as outras, como sempre se ouve em dias normais. É uma música diferente que se ouve. E todo sábado é assim. A Casa de Ismael é contagiada por uma espécie de gingado, que vai envolvendo quem chega e embala a tarde das crianças acolhidas e das mães sociais que param tudo o que estão fazendo pra acompanhar a meninada. O som vem do berimbau e quem dita o ritmo são os professores de capoeira Flávio Andrade, também conhecido como Mestrando Simpson, e Antonio de Souza, o professor Arapuá.

Eles começaram a levar capoeira pra meninada este ano. Faz cerca de três meses que as crianças jogam capoeira no pátio. Mas quem vê os treinos, não acredita que faz tão pouco tempo. Em cada movimento, meninos e meninas vão se soltando e revelando um talento que nem eles sabiam que tinham dentro deles. Alguns arriscam até manobras difíceis, ficam de cabeça pra baixo, fazem passadas de gente grande e, o mais importante, mostram que com o esporte estão aprendendo a respeitar o adversário, a ser parceiro e apoiar o colega que está ao lado.

As aulas começam sempre às três da tarde e todos chegam uniformizados. Cerca de 50 calças e camisetas foram doadas para que as crianças pudessem treinar com conforto e segurança. Quem assiste fica bobo de ver a altura a que os saltos podem chegar. Mas antes de tudo, todos fazem um aquecimento, repassam alguns movimentos e interagem com alguns materiais educativos com o professor Arapuá, porque é como ele diz “é capoeira, mas não pode ser só capoeira, tem que ser brincadeira também”.

E essa brincadeira está ajudando muitas das crianças assistidas na Casa de Ismael a não só ter uma atividade física pra gastar muita energia, como a aprender a interagir entre elas com cidadania. O Mestrando Simpson, que também é professor de educação física, explicou que há uma série de cuidados para que o esporte atenda às necessidades das crianças. “Inclusive temos a Carla conosco, que é psicóloga e também capoeirista. Ela nos ajuda tentando aproximar aquelas crianças que num primeiro momento não se interessam pela atividade”, explica o Mestrando Simpson, ou para a criançada, professor Flávio.

A Casa de Ismael é um dos lugares onde os professores atuam. Eles também fazem trabalhos sociais com crianças de outras partes do DF e, agora, planejam montar um campeonato. “Pretendemos fazer a competição entre setembro e outubro, com troféu, medalha, tudo certinho, e vamos trazer outras crianças para competir aqui com a meninada da Casa de Ismael”, conta Flávio.

Nesse campeonato, segundo Flávio, a meninada também vai poder trocar de cordão e começar a evoluir na capoeira: “Executar trabalhos sociais voluntários é parte da arte da capoeira também. É muito bom chegar aqui e interagir com as crianças, a gente sabe que assim pode estar contribuindo pro crescimento delas, mas quem é beneficiado mesmo é a gente, porque a gente sai daqui leve, com uma boa sensação de dever cumprido”.

Já imaginou essa meninada dando um show num campeonato? Elas estão, agora, treinando pra isso, mas já mostram que são capazes de encantar quem as assiste num simples treino de sábado.

 

 

Ajuda é sempre bem-vinda!

A Casa de Ismael – Lar da Criança comunica que neste mês precisa dos seguintes ítens para ajudar os assistidos pela instituição:

  • MATERIAL DE PRIMEIROS SOCORROS;
  • LEITE INTEGRAL E LEITE EM PÓ;
  • CHINELOS Nº 39 A 42;
  • CUECAS ADULTO TAMANHO P; E
  • CALCINHAS ADULTO TAMANHO P.

São ítens básicos, por isso de urgência. Espalhe para seus parentes e amigos! A Casa de Ismael, de antemão, agradece a quem puder ajudar!