Na Casel, 2018 já começou!

Ainda nem terminamos 2017, mas os coordenadores e dirigentes da Casa de Ismael já estão de olho no próximo ano, estabelecendo novas metas e prevendo novos projetos para 2018.

O presidente da Casa de Ismael, Valdemar Martins, abriu a Reunião Ordinária nº 552, apresentando novas ideias que levam a Casa de Ismael a ter mais ações voltadas a  sustentabilidade, colaborando assim com a economia e o meio ambiente. E também mostrou que, para o ano de 2018, está previsto aumentar a oferta de alguns serviços.

A coordenadora de acolhimento, Vivian Queiroz, chamou a atenção para o desafio que a Casa de Ismael tem encontrado nos últimos anos, que é dar uma formação integral para os acolhidos que somente saem da Casa aos 18 anos. Eles, que passam a adolescência na Casel, ainda são acompanhados seis meses ao fim do acolhimento. Por isso, para a coordenadora, para fazer o planejamento do próximo ano foi necessário considerar esse novo perfil de atendimento da instituição, que hoje, dentre todos acolhidos, atende 33 adolescentes.

Vivian também lembrou a missão da Casa de Ismael – receber, cuidar e proteger as crianças e os adolescentes. E para cumprir esse papel, a coordenadora apresentou diversas atividades programadas para o próximo ano, uma vez que o acolhimento não é feito só por um setor da Casel, mas pela integração das diversas áreas da instituição. O objetivo, disse Vivian, é sempre seguir o que é estabelecido no Estatuto da Criança e do Adolescente, garantindo o acesso integral das crianças a partir de um atendimento global, que envolve, principalmente, o acesso à  saúde (psicologia, odontologia, fisioterapia, médicos, entre outros) e à educação (com acompanhamento escolar e encaminhamento à profissionalização), além do lazer (aula de futsal, atividades de cultura e lazer, oficinas de artes circenses, aulas de yoga, oficinas de percussão). A ideia, para o ano que vem, é, ampliar o atendimento não só para as crianças, mas também para a família do acolhido, promovendo a reintegração à família de uma maneira global. Um dos pontos principais que serão ainda mais fortalecidos no próximo ano é garantir que as crianças e os adolescentes tenham voz dentro da Casa e continuem sendo estimulados a buscar os seus direitos sabendo dos seus deveres como cidadãos. Para isso, serão mantidas e ampliadas ações como assembleia entre os acolhidos, grupo mensal “Se liga, jovem”, atividades de empreendedorismo, grupo de empoderamento feminino, grupo de coaching para adolescentes, entre outros.

E diante de todos esses desafios, a Casel também está de olho na ampliação das atividades de capacitação dos profissionais que atuam na instituição, como as que já são oferecidas hoje, como acompanhamento das mães sociais por psicólogos, terapia de reiki  para mães sociais e equipe a cada quinze dias, participação em fóruns e palestras, grupos de apoios.

Os projetos da coordenação da convivência foram apresentados pela Ana Clara, que ressaltou um detalhe importante: hoje, a capacidade de atendimento do serviço de convivência da Casa de Ismael é de 200 crianças e adolescentes, mas atualmente são atendidos apenas 130 porque falta repasse de verba do governo distrital. Com isso, ainda existe uma fila de espera para que crianças e adolescentes, de 6 a 17 anos, participem do serviço que atende tanto crianças e adolescentes de diversas regiões administrativas como de cidades do Entorno também, além dos acolhidos e egressos da Casa de Ismael, que são acompanhados pelo serviço.

Pro ano que vem, o planejamento é estreitar ainda mais os laços com as famílias também, porque o serviço de convivência é um trabalho de prevenção para que, fortalecendo as famílias, as crianças e os adolescentes permaneçam no seio familiar. Além desse trabalho,  a coordenadoria orienta essas famílias sobre os equipamentos e serviços públicos que estão à disposição da população de baixa renda. O serviço de convivência promove, ainda, aulas-passeio, acesso à cultura, reforçando a valorização da cultura local que está à disposição de todos, muitas vezes gratuitamente. Parcerias, como a feita com o Banco do Brasil, propiciam acessos importantes como à literatura. E o esporte é outro ponto que também está sendo valorizado a partir de aulas de skate, de dança, de futsal. Tudo isso auxilia num trabalho fundamental do serviço que é desenvolver o respeito entre as pessoas, inclusive entre as gerações que se encontram na própria Casa de Ismael. Para 2018, a ideia é ampliar ainda mais esses serviços e incluir novos que sigam essa linha, de promover a autonomia e a educação das famílias, das crianças e dos adolescentes.

Iara, diretora do Cepis Flor de Lis, apresentou o projeto institucional para 2018, levando em consideração as atividades realizadas tanto na Asa Norte como em Sobradinho e o  mapeamento do interesse das crianças, dos adolescentes e das famílias. Para o próximo ano, o setor de educação pretende enfatizar a valorização da diversidade, da sustentabilidade e do protagonismo das crianças e dos adolescentes, como sujeitos ativos e de direito.  Trabalhar o respeito, as relações sociais, a formação do “eu”, a democracia com mais intensidade é um dos objetivos do currículo pedagógico que está sendo elaborado para o ano que vem.

Esses foram só alguns dos pontos discutidos na reunião, onde também foram apresentados resultados e parcerias importantes na coordenação de profissionalização e, claro, da diretoria financeira. É a Casa de Ismael crescendo e evoluindo junto com nossas crianças e adolescentes, olhando pra um presente e um futuro sempre melhores.